PORTO FEMME SESSIONS #4

[:pt]“Por um Cinema Negro no Feminino – Brasil” foi a temática de Setembro. Com curadoria de Janaína Oliveira, esta sessão é composta por realizações significativas da produção negra feminina brasileira na contemporaneidade. O objetivo desta mostra era apresentar ao público uma fração da força dessa geração que tem vindo a fortalecer produções coletivas, destacando o protagonismo feminino negro nas produções audiovisuais do país ao procurar quebrar as barreiras da produção do cinema nacional no Brasil.

Tivemos a presença de Juliana Lobo, natural do Brasil e que se encontra a terminar o doutoramento em Informação e Comunicação em Plataformas Digitais na Universidade de Aveiro, que esteve em contacto com mulheres envolvidas neste movimento e para nos transmitir a sua visão do mesmo.

 

    

Sessão com sala cheia                                               Juliana Lobo

 

 

 

Empoderadas – #EP04 2º temporada 

Documentário – 8′ – ANO 2017

São Paulo

Realizador – Renata Martins

 

Sinopse

Sueli Carneiro é uma das maiores referências brasileira na história do feminismo negro. Nascida na Lapa e criada na zona oeste de São Paulo, Sueli sempre soube o que era ser negra. Foi a partir de seu ingresso na faculdade de filosofia e na militância do movimento negro que o seu conhecimento se transformou em ação. Referenciada em Lélia Gonzales e Abdias do Nascimento, Sueli Carneiro é filósofa e doutora em educação e uma das fundadoras do Geledés – Instituto da Mulher Negra. Em nosso encontro, Sueli é mais do que a voz da militância e do feminismo negro, ela nos conta sua história como uma boa matriarca que é.


Maíra está bem

Documentário – 8’ – ANO 2017

Pernambuco

Realizador – Juliana Lima

 

Sinopse

Através de narrativas o vídeo documentário Mayra está bem, sobre a solidão da mulher negra, apresenta experiências de mulheres que resolveram militar pela sua independência e contra o cruel cotidiano social imposto pelo racismo e pelas discriminações, tendo ainda em comum o facto de não ter parceiros afetivos fixos. São depoimentos carregados de sentimentos causados pela exclusão e pelo preconceito.


 Monga, Retrato de Café

Documentário – 15’ – ANO 2017

Brasil e Cuba

Realizador – Everlane Moraes

 

Sinopse

Um convite para tomar uma xícara de café. Esse é o início de uma conversa íntima que me permite esboçar um retrato de Ramona Reyes, mulher que trabalha nas plantações de café, cultura que herdou do pai, um haitiano assassinado por ser um mensageiro dos rebeldes, para ajudar o triunfo da revolução. Suas mãos ressecadas, castigadas pelo trabalho, ainda mantém a vaidade simples de uma mulher que não há perdido a beleza.


Merê

Documentário – 15’ – ANO 2017

Brasil

Realizador – Urânia Munzanzu

 

Sinopse

Um filme de Mulheres que parte da experiência da diretora Urânia Munzanzu, para falar de protagonismo feminino na tradição Jeje Mahi, tradição religiosa e fé em pontes transatlânticas – do recôncavo da Bahia ao Benim /África. Um documentário com um olhar íntimo e sensível, (re)unindo as “donas do segredo” de uma tradição sob risco de extinção, a nação de candomblé Jeje.  O filme convida as matriarcas do culto de Vodun na Bahia para seu primeiro encontro com a Terra Mãe. Levando as herdeiras da ancestralidade que forjou no Brasil “outras Áfricas” a diretora refaz o percurso das Rotas da escravidão trilhando caminhos de liberdade.

 

Trailer: https://vimeo.com/185874849

Travessia

Documentário – 5′ – ANO 2017

Brasil

Realizador – Safira Moreira

 

Sinopse

Utilizando uma linguagem poética, Travessia parte da busca pela memória fotográfica das famílias negras e assume uma postura crítica e afirmativa diante da quase ausência e da estigmatização da representação do negro. 


Cinzas

Ficção – 15’ – ANO 2015

Brasil

Realizador – Larissa Fulana de Tal

 

Sinopse

Cinzas é um filme que trata do cotidiano de Toni, um personagem fictício, mas que se assemelha a vivência de muitos outros personagens reais.

 

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=hAGKq-2MHXc

[:en]“For a Female Black Cinema – Brazil” was the theme of September. With curatorship of Janaína Oliveira, this session is composed by a significant achievements of black Brazilian female production in contemporary times. The purpose of this exhibition is to present to the public a fraction of the strength of this generation that has been strengthening collective productions, highlighting the female black protagonism in the audiovisual productions of the country when trying to break the barriers of the national cinema production in Brazil.

We had the presence of Juliana Lobo, born in Brazil and finishing her PhD in Information and Communication in Digital Platforms at the University of Aveiro, which has been in contact with women involved in this movement and to transmit us her vision of it.

 

    

Full room session                                                       Juliana Lobo

 

 

 

Empowered –  #EP04 2º Season  

Documentary – 8′ – YEAR 2017

Sao Paulo

Director – Renata Martins

 

Synopsis

Sueli Carneiro is one of the greatest Brazilian references in the history of black feminism. Born in Lapa and raised in the western part of São Paulo, Sueli always knew what it was to be black. It was from her entrance into the faculty of philosophy and into the militancy of the black movement that her knowledge was transformed into action. Referenced in Lélia Gonzales and Abdias do Nascimento, Sueli Carneiro is a philosopher and a PhD in education and one of the founders of Geledés – Black Women’s Institute. In our meeting, Sueli is more than the voice of militancy and black feminism, she tells us her story as a good matriarch who is.


Maíra is well

Documentary – 8’ – YEAR 2017

Pernambuco

Director – Juliana Lima

 

Synopsis

Through narratives, the video documentary “Maíra is well”, about the loneliness of the black woman, presents experiences of women who decided military for independence and against the cruel everyday social life imposed by racism and discrimination, having also in common the fact that they haven’t fixed affective partners. These are testimonies loaded with feelings caused by exclusion and prejudice.


Monga, Coffee Portrait

Documentary – 15’ – YEAR 2017

Brazil & Cuba

Director – Everlane Moraes

 

Synopsis

An invitation to have a cup of coffee. This is the beginning of an intimate conversation that allows me to sketch a portrait of Ramona Reyes, a woman who works on the coffee plantations, a culture she inherited from her father, a Haitian murdered for being a messenger for the rebels, to help the triumph of the revolution. Her dry hands, punished by work, still maintains the simple vanity of a woman who hasn’t lost her beauty.


Merê

Documentary – 15’ – YEAR 2017

Brazil

Director – Urânia Munzanzu

 

Synopsis

A Women ‘s film based on the experience of director Urânia Munzanzu, to speak of female protagonism in the Jeje Mahi tradition, religious tradition and faith in transatlantic bridges – from Bahia to Benin / Africa. A documentary with an intimate and sensitive look, (re) uniting the “secret owners” of a tradition under threat of extinction, the nation of candomblé Jeje. The film invites the matriarchs of the cult of Vodun in Bahia for their first encounter with the Mother Earth. Taking the heirs of the ancestry that forged in Brazil “other Africas”, the director remakes the route of the Routes of slavery treading paths of freedom.

 

Trailer: https://vimeo.com/185874849

Crossing

Documentary – 5′ – YEAR 2017

Brazil

Director – Safira Moreira

 

Synopsis

Using a poetic language, Travessia starts from the search for the photographic memory of the black families and assumes a critical and affirmative posture in the face of the near absence and stigmatization of black representation. 


Ashes

Fiction – 15’ – YEAR 2015

Brazil

Director – Larissa Fulana de Tal

 

Synopsis

“Ashes” is a film that deals with the daily life of Toni, a fictional character, but who resembles the experience of many other real characters.

 

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=hAGKq-2MHXc

[:]

2 Replies to “PORTO FEMME SESSIONS #4”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *